Inicio » Noticias, Portugês

UnoAmérica rechaça informe da CIDH sobre Honduras

23 August 2009

Versión en español

La presidenta de la Comisión Interamericana de los Derechos Humanos, (CIDH), Luz Patricia Mejía, dio lectura al informe preliminar.

Bogotá, 22 de agosto – A União de Organizações Democráticas da América, UnoAmérica, rechaçou hoje o informe emitido pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) sobre Honduras. Segundo UnoAmérica, as observações preliminares apresentadas ontem pela CIDH são “enviesadas, parcializadas e injustas”.

UnoAmérica opina que o informe da CIDH contém ao menos três graves erros conceituais e metodológicos:

Primeiro, a CIDH considera o governo de Micheletti como um regime de fato, em que pese ser o resultado de uma sucessão presidencial legítima e constitucional, ordenada pelo Congresso Nacional e a Corte Suprema de Justiça de Honduras, depois de Zelaya tentar violar a Carta Magna.

Segundo, a CIDH se limita a assinalar os prováveis excessos das Forças de Segurança do Estado contra os manifestantes zelaystas, sem levar em conta que existe um massivo plano de desestabilização para derrocar o governo, financiado pelo governo de Hugo Chávez e – presumivelmente – pelas FARC.

Terceiro, a CIDH descarta – e nem sequer menciona – as ameaças de invasão estrangeira, proferidas pelos governos da ALBA – particularmente os de Nicarágua e Venezuela – e que, como conseqüência dessas ameaças, o governo hondurenho se viu obrigado a tomar medidas para defender sua soberania e salvaguardar a paz.

UnoAmérica considera que todos os organismos dependentes da OEA, como a CIDH, deram uma virada para a esquerda, e já não atuam de maneira imparcial, como ordenam seus estatutos, senão a serviço de seus colegas socialistas.

UnoAmérica opina que o Dr. Víctor Abramovich, primeiro vice-presidente da CIDH, “não deveria ter participado da delegação que visitou Honduras, posto que suas tendências ideológicas o impedem de ser imparcial”.

“Abramovich foi durante anos diretor executivo do Centro de Estudos Legais e Sociais da Argentina (CELS), instituto presidido por Horacio Verbitsky. Abramovich também atuou como seu advogado. Verbitsky foi dirigente das Forças Armadas Peronistas (FAP) e dos Montoneros, e durante sua militância nessas organizações esteve incurso em numerosos atos de terrorismo”.

Finalmente, UnoAmérica expressou que os ataques infundados contra o governo de Micheletti devem-se à preocupação que existe dentro da esquerda latino-americana, de que o precedente hondurenho se estenda por toda a região. “Zelaya não foi o único que violou a Carta Magna; também o fizeram Chávez, Morales, Correa e Ortega. Eles temem ser objeto de uma sucessão constitucional, como a que ocorreu em Honduras”.

www.unoamerica.org

Tradução: Graça Salgueiro